13 fevereiro 2012

A BONDADE DIVINA



Meu amigo, se a dor lhe bate à porta, lembre-se dos benefícios de que é portador e não desfaleça.
A Bondade Divina não articula pensamentos para o mal.
A ferida que dilacera ou o desgosto que perturba, temporariamente, costuma encerrar incalculáveis recursos de elevação.
Tenha paciência e não esmoreça no bem.
Se a desorientação lhe entrava os passos, use a prece. A oração realiza milagres.
Se possível, reúna aqueles que você ama, dentro da mesma vibração de confiança no culto do Pai Celestial.
Se está doente e desalentado, peça a bênção do Senhor para o copo de água fria que lhe atende à sede, porque da Fonte Divina fluem substâncias de paz e restauração para quantos lhe pedem socorro ao sublime poder.
Se você permanece em desespero, não permita que a sua desventura culmine em gestos de suprema revolta.
Espere mais tempo, antes de qualquer resolução inapelável e injusta.
Amanhã, o dia renascerá transformado.
As circunstâncias se modificam, de minuto a minuto, e os reveses de agora serão alegrias no porvir.
Teça, com serenidade, a sua auréola de ventura porvindoura, aproveitando os ensinamentos que a dor lhe trouxe ao coração.
Não tema as dificuldades e prossiga com Jesus para a frente.
Busque a presença do Divino Amigo, em seus pensamentos e, na própria luta, encontrará infinitos motivos de reconforto e beleza, bom ânimo e paz.
Inicie o abençoado serviço da oração, hoje mesmo, e amanhã, provavelmente, você começará a rejubilar-se na colheita de luz.
Agar
Por: Francisco Cândido Xavier
Livro: Nosso Livro.

Enviar um comentário