03 maio 2016

O Perdão - 03/05/2016




O Perdão é um conceito geralmente mal compreendido. Muitos de vocês entendem que o perdão é uma ação entre duas pessoas. Este é um grande engano !

O perdão é só seu, e não depende de mais ninguém. É uma das mais belas formas de manifestação do amor, e como todo amor é incondicional.

Perdoar significa transmutar a mágoa em compreensão, livrar-se do passado e se permitir um novo futuro.

Mágoas e ressentimentos lhe prendem ao passado e lhe transformam em uma vítima. Permanecer no passado é negar o seu futuro.

Para perdoar é necessário mergulhar neste passado pela última vez, como um simples observador e olhar a situação como realmente é. Um cenário em que cada ator desempenhou o papel que lhe cabia. Não se fixe nas pessoas, elas foram meros representantes convocados para viver este ato da sua vida. Você veio aqui vivenciar esta experiência e cada um foi convocado para o papel que lhe cabia. Se não fossem eles, seriam outros, mas você veio para viver esta experiência, e nela você é o grande protagonista, o ator principal. Só você importa !

Então, agradeça a eles por terem permitido que vivesse estes momentos. Dentro das necessidades de cada um, eles reuniram-se para formar esta cena, para tornar possível a sua experiência. Não se fixe nas pessoas, cada um tem o seu caminho e veio aqui para viver suas próprias experiências. O Universo escolhe quem vai representar cada papel, tecendo a teia do destino.

Agradeça porque graças a todas as pessoas que fizeram parte deste acontecimento, você teve a chance de passar este momento difícil e aprender.

Para aprender você precisa ser um observador, esqueça as pessoas e os aspectos pessoais de cada um. Você não vai aprender nada tentando julgar os outros nem a você mesmo. Apenas entenda a situação como se estivesse vendo um filme com atores desconhecidos. Os atores não interessam, pois cada um vai seguir a sua própria vida. Entenda que o que lhe impede de compreender completamente a situação é o apego pelos participantes. Você começa a pensar sobre o acontecimento e logo começa a pensar nas pessoas.

Então, para perdoar é necessário antes desapegar-se das pessoas envolvidas. Entenda que somos todos um e estamos todos juntos. Você e a pessoa que lhe magoou são um só, vivendo experiências opostas. Fazem parte da mesma luz divina. Para desapegar e deixar ir é necessário sentir que vocês são um e continuarão assim. Vão apenas afastar-se para participar de outras experiências. É uma parte sua que segue outro caminho. Sinta esta unidade, imagine-se abraçando esta pessoa, fundindo-se e tornando-se uma só alma. Ame profundamente e se despeça. Cada vez que se lembrar dela, lembre com carinho como sendo uma parte sua que está longe, cada vez mais longe em busca de suas próprias experiências.

Ame este seu outro eu que também se emocionou com você em todos estes acontecimentos. Cada um de vocês viveu intensas emoções complementares. Cada um de vocês aprendeu pelos dois lados. Um pode ter sido vítima e ou outro algoz. Mas a vítima também aprendeu a experiência do algoz e não precisará mais cumprir este papel. E o algoz também aprendeu a experiência da vítima e não precisará se tornar vítima. Veja que vocês são um só, vítima e algoz.

Então celebre profundamente este acontecimento e agradeça ao Universo por este aprendizado.

Quando você compreender verdadeiramente a beleza de tudo isto, verá que não há motivos para perdoar, pois não há culpados. O verdadeiro perdão é o agradecimento e a compreensão de que o outro talvez tenha desempenhado o papel mais difícil. É mais confortável ser vítima do que algoz. Então perdoar é orar para que o outro também tenha a mesma compreensão que você está tendo e não se sinta culpado.

Perdoar é amar ao outro e querer vê-lo feliz, é dar-lhe bênçãos e abrir a gaiola do seu coração para que ele voe em liberdade.
E também perdoar a si mesmo, da mesma forma.
É amar a si mesmo e se permitir ser feliz em liberdade.

através de Prama Shanti, em 16/03/2016

21 abril 2016

Quando passamos pelo Deserto





Quando passamos pelo deserto, tudo se intensifica. Os problemas se intensificam e devemos também intensificar as atitudes de fé e a vigilância, pois as palavras de derrota vêm de todos os lados.

Precisamos entender que quando Deus nos permite passar por momentos difíceis, não estamos recebendo uma maldição divina. É apenas uma fase, uma preparação para algo melhor que está chegando. 

Em todo momento, mas especialmente nessas situações-limite, em que nos sentimos sozinhos no deserto e o mal se fantasia de realidade, temos uma escolha muito séria a fazer. Dela depende a nossa vida. Ou escolhemos ouvir a voz deste mundo, a voz das impossibilidades, a voz do medo e a voz das experiências negativas do passado, ou escolhemos ouvir a Voz que nos aconselha:

“Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo.” Isaías 43.18,19

Isso é espetacular! É tão forte que é preciso degustar aos pouquinhos, para guardar bem firme dentro da gente e absorver todos os nutrientes dessa Palavra:

“Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas” 

– O ser humano tem tendência de considerar as coisas passadas para avaliar o que está vivendo agora. Se o que aconteceu foi negativo, essa tendência pode criar um trauma que vai interferir em todas as escolhas da pessoa dali para diante. É natural que, diante de um problema que já passamos anteriormente, haja medo de que o resultado negativo se repita. No entanto, Deus é bem claro: todos os traumas, experiências ruins e situações adversas devem ser desconsiderados. Na verdade, é para não se lembrar das coisas passadas e desconsiderar as antigas. Então, até às coisas boas que aconteceram no passado não devemos nos apegar, porque a fé olha para a frente e nunca se acomoda.

“Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz" 

– Esqueça o que passou, o Espírito Santo dá uma notícia fresquinha: Ele está fazendo coisa nova! E se Ele diz para esquecer as coisas passadas, é porque o que Ele está fazendo é muito, muito maior do que o que já aconteceu até agora.

“Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis?”  – Estava saindo à luz, isto é, não estava visível ainda… então por que Ele pergunta se a gente não percebeu? Ele não pergunta se você está sentindo, Ele pergunta se você está percebendo! Como ver o que ainda não é visível? Somente com os olhos da fé. Fé que não tem a ver com religião, mas com a “certeza de coisas que se esperam” e “convicção de fatos que não se veem”. Só assim é possível perceber o que ainda não existe fisicamente, independentemente do que estamos ouvindo, vendo ou sentindo.

“Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo.” – Essa promessa me fez saltar de alegria por dentro (eu saltaria por fora, também, se a gente pudesse simplesmente sair pulando por aí). Mesmo no deserto, temos a garantia de que não estaremos sozinhos, nem morreremos ou passaremos necessidade. Pelo contrário, Ele promete um caminho no deserto e rios no ermo. No lugar mais seco e solitário em que poderíamos estar, Ele promete estar conosco, nos dar direção e suprir nossas necessidades. Um novo universo de possibilidades infinitas se estende à nossa frente. Como poderíamos não perceber?

Quando os problemas vêm, muitos só prestam atenção a eles, ficam dando voltas em torno das impossibilidades e engolindo as palavras negativas que se oferecem. No entanto, a partir do momento em que entregamos nossa vida a Deus, atravessamos a Porta. Deixamos de viver no reino das impossibilidades e passamos a viver em um reino em que tudo é possível, cujo Rei é Criador. Ele está sempre criando. Sempre fazendo coisa nova. E, sabendo disso, esperamos as coisas maravilhosas que Ele, certamente, está criando. Assim, é impossível não perceber que algo extraordinário está para acontecer.

No meio do deserto, no meio da tempestade, podemos nos agarrar a essa Palavra. É um conselho e uma promessa, mas eu tomo o conselho de Deus como uma ordem. É como se Ele dissesse: “esqueça o que passou. Eu estou fazendo uma coisa muito mais legal! Como você não viu? Use a sua fé e olhe aqui”.

Eu sei que sempre passaremos por desertos, sei que os problemas aparecem diariamente. Mas se mantivermos nossos olhos firmes nessa fé, ignorando o passado e qualquer sugestão negativa, nunca deixaremos de perceber as coisas novas que Deus está fazendo. Isso renova nossas forças e nos dá uma paz que ninguém jamais conseguiria compreender. Mas eles não precisam compreender. Espere, logo, logo, vai sair à luz e todo mundo vai ver.

Vanessa Lampert

As 4 Leis do Desapego para a Libertação Emocional - 21/04/2016





É possível que a palavra desapego lhe cause uma sensação de frieza e egoísmo. Nada está mais longe da realidade. A palavra desapego, compreendida dentro do contexto do crescimento pessoal, é um valor interno precioso que todos nós devemos aprender a desenvolver. Praticar o desapego não significa abrir mão de tudo o que é importante para nós, rompendo vínculos afetivos ou relacionamentos pessoais com aqueles que fazem parte do nosso cotidiano.

“Desapego significa saber amar, apreciar e se envolver nos relacionamentos com uma visão mais equilibrada e saudável, libertando-se dos excessos que o prendem”.

Liberação emocional é viver mais honestamente, de acordo com as suas necessidades. Crescer, progredir com conhecimento de causa, sem prejudicar ninguém e não deixando ninguém o limitar.

Conheça abaixo as 4 leis do desapego para a liberação emocional. Vamos praticar?

1 – Lei do desapego: você é responsável por si mesmo

Ninguém pode viver por você. Ninguém pode respirar por você, se oferecer como voluntário para carregar suas tristezas ou sentir suas dores. Você é o arquiteto da sua própria vida e de cada passo que dá em seu caminhar. Portanto, a primeira lei que deve ter em mente para praticar o desapego é tomar consciência de que você é totalmente responsável por si mesmo. Não responsabilize os outros pela sua felicidade. Não imagine que para ser feliz é necessário encontrar o parceiro ideal ou ter o reconhecimento de toda sua família.

Se a opinião dos outros é a sua medida de satisfação e felicidade, você não vai conseguir nada além de sofrimento. Raramente os outros suprirão as nossas necessidades. Cultive sua própria felicidade, seja responsável, maduro, conscientize-se das suas escolhas e consequências e nunca deixe que seu bem-estar dependa da opinião alheia.

2 – Lei do desapego: Viva no presente, aceite e assuma a sua realidade

Muitas vezes, não conseguimos aceitar que nesta vida nada é eterno, nada permanece sempre igual; tudo flui e retoma seu caminho. Muitas pessoas estão sempre focadas no que aconteceu no passado, e isso se torna um fardo pesado que carregamos no presente. Mesmo que seja doloroso, aceite, assuma o passado e aprenda a perdoar. Isso o fará se sentir mais livre e o ajudará a se concentrar no que realmente importa: “o aqui e agora”. Liberte-se!

3 – Lei do desapego: Liberte-se e permita que os outros também sejam livres

“Assuma que a liberdade é a forma mais plena, íntegra e saudável de aproveitar e compreender a vida em toda a sua imensidão”

Ser livre não nos impede de criar vínculos com os outros. Criar vínculos, amar e ser amado, fazem parte do nosso crescimento pessoal. O desapego significa que você nunca deve assumir a responsabilidade pela vida dos outros, que eles não podem lhe impor seus princípios e nem tentar prendê-lo. É assim que surgem os problemas de relacionamento e o sofrimento.

Os apegos exagerados nunca são saudáveis. Temos como exemplo aqueles pais obcecados por proteger os filhos, que os impedem de crescer e avançar com confiança para explorar o mundo. A necessidade de desapegar-se é fundamental nesses casos; cada um um deve sair dos seus limites de segurança para enfrentar o imprevisto e o desconhecido.

4 – Lei do desapego: As perdas irão acontecer mais cedo ou mais tarde

Devemos aceitar que, nesta vida, nada dura para sempre. A vida, os relacionamentos e até os bens materiais acabam desaparecendo como fumaça, escapando por uma janela aberta ou deslizando através dos nossos dedos.

As pessoas vão embora, as crianças crescem, alguns amigos somem e perdemos alguns amores… Tudo isso faz parte do desapego. Temos que aprender que isso é normal e enfrentar essa situação com tranquilidade e coragem.

O que nunca pode mudar é a sua capacidade de amar. Comece sempre por você mesmo.

Fonte: A Mente é Maravilhosa

14 abril 2016

Não é facil Amar uma Alma antiga mas é Transformador - 14/04/2016







Existe um tipo especial de pessoa neste mundo que é muitas vezes incompreendido. Essas pessoas tendem a ser as solitárias, espíritos livres, as amantes inocentes. Elas veem o mundo por tudo o que pode, e deve ser, embora o mundo raramente as vejam. São as almas antigas, os sonhadores, as pessoas em sintonia com a vida, tão intuitivas de emoções que nos assustam. Nos assustam não por causa de quem são, mas por causa de quem não somos, do que nos falta.

Almas antigas atingem profundidades que não podemos compreender. Elas têm uma conexão com Deus, com o Universo, com a Natureza, e é por isso que elas são as pessoas que vão mudar o mundo. Nós muitas vezes nos sentimos inferiores, como se tivéssemos que nos esforçarmos para ficarmos remotamente perto de seu nível, para sermos merecedores do seu amor. É preciso ser uma pessoa confiante para amar uma alma velha. Mas vale muito a pena. Isso irá mudar sua vida.

1. Elas são românticas

Elas são as Audrey Hepburns e Graça Kellys, a Gregory Pecks e Frank Sinatras deste mundo, que apreciam os nossos corações e fazem isso com estilo: com piqueniques e velas e elementos de surpresa. Almas antigas têm um dom para se divertir, para a paixão e aventura, e só revelam para aqueles que amam.



2. Elas são leais

Dê a uma alma antiga amor, respeito, paixão, e ela será fiel a você para sempre. Almas antigas não estão atrás de amizades superficiais, ou encontros de uma noite. Elas valorizam profundidade. Verdade. Autenticidade. E se você atender a essa necessidade, o amor que ela tem por você nunca vai morrer.

Ela vai estar lá para você quando os sonhos forem quebrados, quando a vida ficar difícil, na alegria e na tristeza.

3. Elas nos ajudam a crescer

Almas antigas têm mentes curiosas. Elas são facilmente inspiradas e desejam aprender o máximo possível sobre o mundo e aqueles ao seu redor. Elas não temem a mudança ou aventura. Estão abertas a novas ideias e novas maneiras de fazer as coisas. Desejam crescer como pessoas (espiritualmente, emocionalmente e fisicamente) para nos inspirarem a crescermos e mudarmos também.

Não se pode viver por medo quando ama-se uma alma antiga.

4. Elas não são materialistas

Almas antigas se preocupam mais com as experiências, com passar tempo de qualidade juntos. Não se preocupam com com joias caras e flores, nem nada que o dinheiro compra. Elas valorizam você, a pessoa maravilhosa que você é, a pessoa pela qual se apaixonaram.

5. Elas entendem as conexões profundas da vida

Almas antigas podem parecer retiradas às vezes, quase sobrecarregadas com o estresse do mundo ao seu redor. Elas muitas vezes refletem sobre o amor, dor e preocupação. Suas mentes estão trabalhando duro para tentar resolver os problemas do mundo e os problemas de sua alma. Elas fazem isso por conta de seu forte desejo de curar o mundo. Ajudar os outros e a si mesmas.

Então, aprecie suas emoções ricas e mágicas, que são profundas. Aceite o seu desejo de escrever, desenhar e pintar. Incentive-a. Valorize as profundezas de sua alma. Deixe-a voar para que possa compartilhar seu coração aberto com os partidos.


6. Elas são gratas

Porque o que é bom neste mundo pode parecer distantes, almas velhas buscam e apreciam a beleza. Elas procuram o melhor nas pessoas, beleza em seus arredores, pa bênçãos na vida. E muitas vezes encontram. O que as tornam uma luz.

7. São exemplos de bravura

Viver incompreendido, ser desvalorizado, visto como estranho e ainda sobreviver. Almas antigas são as pessoas mais corajosas que eu conheço. Elas andam pelas estradas mais dolorosas desta vida, e ainda assim de alguma forma criam coragem de sorrir. De serem altruístas. Apoiarem os outros.

8. Elas são autênticas

Almas antiga não são falsas. Eles não fazem jogos. E nem vão dizer o que você quer ouvir quando não concordarem. Delas você ouvirá a verdade, quer goste ou não. E, embora às vezes a verdade possa machucar, pelo menos é real.

E sim, quando uma velha antiga está triste, não consegue esconder. E pode ser um processo doloroso assistir sua tristeza, se voceâ amar. Mas lembre-se, qualquer um pode ser falso.

Almas antigas são o que são e é por isso que nós as amamos.

9. Elas têm fé em nós

Elas veem o bom em nós quando não conseguimos ver por nós mesmos. Nós podemos ser os maiores idiotas, ingratos, egoístas, e mesmo assim ela não desistirá. Elas nos motivam a sermos melhores, mais fortes, mais autênticos. Elas nos lembram do que é belo neste mundo. Nos inspiram a seguirmos o nosso coração e perseguirmos nossos sonhos.

Elas são o tipo de pessoas das quais precisamos em nossas vidas, porque veem o potencial que ainda temos de ver.

10. Elas nos amam

Ser amado por uma alma antiga é sentir as vastas extensões de oceanos, céus e estrelas tudo de uma vez. O amor de uma alma velha é um fogo verdadeiro, ardente de amor profundo que inflama a depravação dentro de nossas próprias almas. É intenso e poderoso, altruísta e infalível. Amar e ser amado por uma alma velha nos cura, nos transforma e nos molda em pessoas mais apaixonadas.

Almas antigas são o sol. Elas são a centelha. São todas as cores do arco-íris, e as profundezas da terra. Elas podem ser mal interpretadas, mas seu amor é real, seus corações são puros.

Apaixone-se por uma alma antiga e você nunca precisará se apaixonar novamente.



Traduzido por Materia Sublime

Fonte: Life Hack